por Rui Almeida

 

3 FEVEREIRO 2015

Domínio avassalador!

13ª Taça Intertroféus(TIT)

 

Decorreu no último sábado de Janeiro a 13ª edição da Taça Intertroféus (TIT) e que foi inteiramente dominada pelos

ASES PELOS ARES.

No momento em que se soube que a TIT iria ser realizada no KIVIKART, muitos foram os que vieram a terreiro dizer que a “Taça estava entregue”.

O domínio que os seis primeiros classificados do troféu Ases Pelos Ares exerceram nesta TIT foi tal – acredito que nunca visto antes em anteriores edições, que acaba por dar razão a quem assim o previu.

Mas a leitura que nós fazemos é um pouco diferente.

Comecemos pelo principal: O troféu dos Ases é um troféu conhecido pela sua tradicional competitividade e que é disputado por pilotos que acima de tudo, querem disputar corridas com os melhores. Esta premissa faz com que o grupo acabe por estar nivelado muito por cima e isto é tradicionalmente assim desde sempre.

E a prova de que isto é mesmo assim, foi o facto de pilotos que fizeram todo o troféu dos Ases, mas que não conseguiram ir à TIT pêlo grupo, ou seja, que ficaram abaixo do “top six”, tiveram excelentes resultados, secundando os pilotos titulares.

A final A da TIT teve 4 titulares dos Ases nos quatro primeiros lugares e 6 pilotos que disputaram todo o troféu dos Ases em 2014 nos 8 primeiros lugares! Sintomático…

É evidente que conhecer o KIVI e os karts ajudou. É evidente que a chuva ainda maximizou o nosso favoritismo e foi possível observar excelentes pilotos, pilotos que noutras pistas nos dão “água pela barba”, a andarem à procura do caminho das pedras que todos nós conhecíamos quase de cor.

Assim sendo, os Ases acabaram por confirmar todo o favoritismo que lhes era atribuído, mas o que não esperávamos foi que o nosso domínio tivesse sido tão avassalador.

A Nacional Kart (NKT) mostrou também que o seu troféu é de elevada competitividade, é composto por excelentes pilotos e fez também uma prova muito boa. Mostrou (se tal fosse necessário) a razão do título e dignificou esse mesmo título de campeã que veio defender.

Falar à posteriori é fácil, mas por tudo o que foi dito atrás, poderei acrescentar que este segundo lugar não penaliza de forma alguma o nome, o título e a exibição dos ex campeões. Pelo contrário, se os ASES não ganhassem, seria uma derrota confrangedora. No fundo, os ASES face a tudo o que se disse antes da prova, estavam quase que obrigados a ganhar, terrivelmente pressionados e por isso podemos concluir que conseguiram cumprir a sua missão.

O terceiro lugar da McKart só terá sido surpresa para alguns.

O trabalho lançado por Domingos Machado há uns anos começa agora a dar os seus frutos. Aos elementos veteranos mas mais experientes, juntaram-se jovens lobos lançados pela escolinha de Domingos Machado que mostraram excelente andamento e contribuíram para um resultado final muito bom, deixando para trás equipas teoricamente mais poderosas, como o Clube Millennium BCP, a KartKup e principalmente a UM Karting que também jogava “em casa”.

Quanto ao nosso desempenho:

Os ASES entraram com tudo e dominaram todos os registos nas 3 primeiras mangas de qualificação, com Luís Fernandes, Rui Almeida e João Moreira. O jovem Rukyman e Jorge Meireles também passaram à fase seguinte alcançando dois 4º lugares.

Na última manga de qualificação entrou em ação Aires Azevedo que não foi muito feliz. Na saída para os treinos de qualificação, Azevedo saiu dos últimos lugares e ainda não tinha conseguido ganhar espaço para obter o seu tempo, quando um kart rompeu um tubo de óleo e o largou por toda a pista. Os tempos por volta subiram cerca de 10 segundos, inviabilizando a obtenção de qualquer bom tempo.

Todos sabemos que para se atingir as finais principais, é necessário conseguir desde o início bons resultados e por isso, a prestação de Aires Azevedo ficou logo ferida de morte.

Ainda assim, todos os pilotos passaram directamente para as meias-finais.

Depois da repescagem vieram as meias-finais e os primeiros a entrar em acção foram Rui Almeida e Jorge Meireles, com Almeida a sair da pole-position.

Contudo, Almeida seria surpreendido na largada por Tiago Teixeira da NKT, que no entanto não aguentou a pressão e acabou por cometer um erro no final da segunda volta, atrasando-se irremediavelmente.

A partir daqui, Almeida foi abrindo espaço para os restantes, foi sempre o mais rápido e terminou na frente de Pedro Soares, novamente em grande nível depois de secundar Luís Fernandes na manga de qualificação. De salientar que Soares seria o primeiro suplente do nosso grupo, não estivesse a representar a Kartkup.

Jorge Meireles voltou a cumprir, terminado em quarto lugar e qualificando-se também para final A.

Para a segunda meia-final, João Moreira estava novamente sozinho a representar os ASES e repetiu vitória folgada, depois de sair também da pole-position.

Destaque para Duarte Lopes da Nacional Kart que foi infeliz na sua manga de apuramento e teve de fazer nesta meia-final grande recuperação do 13º lugar inicial até ao segundo lugar em que terminou.

A última meia-final era ingrata para as nossas cores, pois juntou 3 pilotos – Luís Fernandes, Rukyman e Aires Azevedo.

Como só passavam 6 para a final A, as coisas não estavam fáceis para Aires Azevedo e este até começou muito bem, recuperando até ao 9º lugar, mas para chegar mais longe era necessário arriscar e numa nova tentativa de ultrapassagem, Azevedo acabou por perder o frontal e atrasar-se definitivamente.

Rukyman desta vez esteve mais activo, pois o 7º lugar de onde largou, não chegava para a final A. Assim, calma mas consistentemente foi recuperando, terminado em terceiro.

Luís Fernandes mais uma vez e à imagem de Rui Almeida e João Moreira, não deu veleidades a ninguém, vencendo tranquilamente.

Neste ponto, os ASES tinham 5 pilotos na final principal, enquanto Aires Azevedo ficava de fora.

O perigo maior vinha dos Campeões em título que tinham 3 pilotos na final A e um na final B.

No entanto bastava aos ASES não cometerem erros e terminarem no Top Ten, para que o título nos viesse parar às mãos.

No entanto, não foi foi bem isso que aconteceu. O que de facto se viu, foi novamente um domínio avassalador com Luis Fernandes a sair da pole, João Moreira a seu lado e Rui Almeida no terceiro lugar e a confirmarem estas posições!

A eles juntou-se Rukyman que saiu do 7º lugar e recuperou até alcançar a traseira dos seus colegas de equipa. Também em destaque esteve Jorge Meireles que sem necessitar de andar para a frente, saiu do 12º lugar para terminar tranquilamente no 8º lugar.

Palavras finais para dizer que a juntar ao excelente ambiente desportivo, esteve também um excelente nível de camaradagem e de confraternização.

Claro que houve um ou outro caso em pista, mas que não beliscaram em nada todo esse ambiente fantástico à volta da prova.

O tempo não ajudou em nada o desenrolar desta 13ª edição da TIT, mas a excelência de preparação dos karts, a juntar à extrema dedicação do staff do Kivikart, fez com que todos tivessem felicitado António Rosa e com vontade de experimentar esta frota noutras ocasiões.

<< Clique aquipara escrever aos ASES