por Rui Almeida

 

 

28 DE ABRIL 2009

ESTREIA SURPREENDENTE DO... RUKYMAN!

 

Arrancou no último fim-de-semana a terceira edição do Challange Desafio Único.

Este ano o Challange tem uma nova categoria que se disputa com os Fiat Punto 85, um carro bem interessante.

Como demos conta na semana passada, os Ases contam com três pilotos no Desafio:

Rui Almeida na categoria I com os Fiat UNO 45S que foi convidado a integrar a estrutura montada pela Espoauto com o apoio do preparador Lanço Sport.

Ainda assim, o nosso ÁS corre com o apoio da VERTENTE, da BACELAR e ainda da GOBULLING.

Em separado temos um artigo sobre a presença da dupla Filipe Matias/Tiago Martinho, mas o cronista também analisou a presença desta dupla.

Sabendo de antemão do cuidado que Filipe Matias coloca nas suas participações, era com alguma curiosidade que aguardava a presença do seu Punto apoiado pela EGS/Videovisão.

 

(Foto gentilmente cedida por FOTOGTI)

 

 

O resultado final não foi totalmente positivo e isso ficou nitidamente a dever-se ao atraso que a preparação do carro teve.

Na verdade, a equipa apresentou-se em Braga sem ter testado o carro e por isso o resultado acabou por se ressentir, mas deu para ver que a concorrência tem de se cuidar…

Quase que se pode dizer que esta corrida foi encarada como um “test day” e no fim do dia a equipa terá ficado com motivos para sorrir. A ver vamos!

 

Quanto a Rui Almeida, pode-se dizer que a sua performance acabou por confirmar aquilo que os seus “amigos pilotos” esperavam dele.

Realizou uma corrida de trás para a frente, com calma, sem entrar em loucuras e com isso acabou por terminar num excelente quinto lugar (em 44 carros) e realizando a terceira melhor volta.

Mas vamos por partes.

O programa de Braga desenrolou-se todo no domingo.

Rui Almeida que faz equipa com o jovem Tiago Faria não começou muito bem, já que não realizou o treino livre, pois a equipa já tínha os pneus novos montados e esses só podiam ser usados a partir do treino oficial.
Foi mau, pois no dia de prova foram estrategicamente colocados pneus em pontos cruciais do circuito com o objectivo de evitar que os carros cortassem demasiado os correctores e assim a equipa não pode preparar o treino cronometrado.

Neste, veio ao de cima a inexperiência do nosso piloto por estas andanças, pois saiu para a pista no meio da "galera" e nos 15 minutos que de treino (que não dá para mais do que 7 voltas...), não foi capaz de fazer uma volta limpa.

De facto, o pré-conhecimento de quem são os pilotos "canhão" e a escolha do momento certo para entrar em pista é fundamental para se conseguir um bom tempo no treino.

Ainda assim, o 10º tempo – 1:49,7, não foi mau.
Na corrida, o nosso piloto aprendeu mais uma lição, já que a sua inexperiência em partidas lançadas ditou que se atrasasse no momento do arranque.

Pensando que o semáforo iria passar a verde, acelerou antes do tempo e afinal teve de travar para não ser penalizado.

Desceu algumas posições, para lugares onde a luta é muito feroz, onde se conduz de faca no dentes, muito com o coração e muito pouco com a cabeça.

O piloto foi subindo na classificação ao sabor dos toques e saídas de pista alheias até alcançar o top ten.

Aí sim, as coisas piam mais fino e então começou a assistir-se a uma recuperação.

Adoptando um ritmo forte e consistente, Almeida rapidamente chegou ao sexto lugar. Neste ponto o atraso para o quinto lugar já era de uns bons 50/60 metros e outros tantos para o quarteto que liderava a corrida.

No entanto o piloto foi-se chegando, acabando por encostar no quinto classificado.

O ideal seria "empurrar" esse concorrente, pois ambos estavam a ganhar ao quarteto da dianteira e com uns bons cones de ar, provavelmente iriam chegar à dianteira.

Mas (mais uma vez), o seu desconhecimento e provavelmente a ânsia de chegar o mais à frente, fez com que o nosso piloto atacasse de imediato o quinto lugar.

Claro que o seu adversário respondeu e desta forma os dois começaram a perder para os da frente.

Quando finalmente fugiu ao seu adversário, o quarteto da frente estava longe e a corrida a poucas voltas do fim.

O quinto lugar foi bom para estreia, a terceira melhor volta também - 1:48.5 e agora o piloto anseia por Portimão a 16/17 de Maio.

Na outra corrida do programa, o seu companheiro de equipa - Tiago Faria fez também uma boa prova.

Com a grelha invertida para os 20 primeiros, Faria saiu do décimo-sexto lugar e conseguiu recuperar até décimo-primeiro lugar.

O somatória dos resultados ditou um excelente e surpreendente quinto lugar final, posição que a dupla ocupa no campeonato.

(Foto gentilmente cedida por FOTOGTI)